ABIGAIL, UMA MULHER PRUDENTE

0 comentários

INTRODUÇÃO

As circunstancias que envolveram o presente estudo são comoventes, Samuel Havia falecido (ISm.25:1), e Saul, o rei, fora rejeitado pelo Senhor, (ISm.13:14). Davi, que havia sido escolhido por Deus para substituí-lo, (ISm.16:1,12,13), estava sendo perseguido por este que queria mata-lo, (ISm.19:10; 23:14), pois sabia que aquele jovem belanita seria seu sucessor no trono, (ISm.24:20).
Davi então passou a habitar nas cavernas, nos desertos e montes, (ISm.22:1; 23:14; 25:1), acompanhados por um grupo de homens que se aliaram a ele, (ISm.22:1,2; 23:13; 24:3,6). Estando acampado próximo a Maom, perto da propriedade de Nabal, que possuía um grande rebanho de ovelhas, o ajudou na proteção contra os ladrões, (ISm.25:15, 16,21).
Diante da necessidade de alimentação para si e seus homens, Davi enviou alguns de seus companheiros a Nabal, para solicitar-lhe o mantimento, o que lhe foi negado, levando-o a preparar um ataque contra a casa deste grande fazendeiro. É ai que entra em cena a sábia atitude de Abigail, para reparar a ação irrefletida do esposo, evitando, assim, a morte de toda sua casa.
I – DEFINIÇÕES:
1)      – Abigail: Seu nome significa “meu pai é alegria”. Além de formosa, suas principais virtudes eram: sensatez, prudência, sabedoria, humildade e afetuosidade.
2)      – Nabal: Seu nome significa “tolo”, “sem juízo”. Era um homem de temperamento rijo. Avarento, embora muito rico e poderoso, duro de coração e maligno em obras.

II – NATUREZAS HETEROGÊNEAS:

Era um verdadeiro contraste a vida deste casal. Certamente, Abigail casara-se com ele, porque seus pais atentaram para os predicados da família dele e sua riqueza. Quando o casamento é motivado por outras razões que não seja o amor, o resultado é sempre triste.                                    A união conjugal feliz é aquela em os jovens buscaram a direção de Deus, (Gn.24:12-14), unido-se no Senhor, (ICor.7:39), ou seja, crente com crente, para que haja harmonia no lar, (2Cor.6:14-16). Caso contrário, serão duas naturezas desiguais, (Am.3:3).

III – A PRUDÊNCIA APLICADA POR ABIGAIL:

1)      - No ouvir seu servo: Ao receber o aviso de que Davi atacaria a sua casa, Abigail ouviu atentamente o portador da triste notícia, não obstante ser ele apenas um de seus servos, (ISm.25:14-17). Ela era boa ouvinte. Devemos estar prontos para ouvir, (Tg.1:19). O sábio dá ouvidos ao conselho, (Pv.12:15);

2)      – Na urgência das providências: Não era uma ouvinte esquecida, (Tg.1:22). Passou a tomar urgentemente as providências necessárias. Era uma mulher destemida, (ISm.25:18,23,42);
3)      – Na preparação dos víveres: Sua generosidade foi muito grande, em contraste com a avareza e dureza do marido. Preparou alimentação adequada e com abundância para levar a Davi, (ISm.25:18) a fim de reparar a ingratidão do esposo;
4)      – Na sua sabedoria: Nada revelou ao marido, pois ele não a compreenderia. Tudo fez para salvar a vida do esposo, ainda que soubesse que ele era um estúpido, (ISm.25:25). A mulher sábia edifica a sua casa, (Pv.14:1);
5)      – Na sua caminhada: Procurou um caminho onde não fosse vista pelos de sua casa, determinando que seus mancebos fossem na frente, (ISm.25:19,20). Esta escolha demonstra sua prudência e sabedoria;
6)      – Na sua humilhação: Ao encontrar-se com Davi, prostou-se em terra diante dele e lançou-se a seus pés, (vv.23,24). Humilhou-se, chamando-se a si mesma de serva por 07(sete) vezes, (ISm.25:24,25,27,28,31,41). “Com os humildes está a sabedoria”(Pv.11:2). Davi, que era um homem simples, (ISm.18:23), moveu-se com este gesto de Abigail. Vivamos humildemente, para sermos exaltados no tempo oportuno, pois diante de honra vai a humildade, (Pv.15:33; 18:12);

7)      – Na sua intercessão: Procurou ajudar o esposo culpado, sem ocultar a verdade dos fatos, (Pv.28:13). Lamentou não ter atendido aos emissários de Davi, por não tê-los visto (v.25). Tomou para si a falha de seu marido, pedindo perdão, (ISm.25:28; Ec.7:12). Mostrou a alimentação que havia trazido e confiou na justiça de Davi, (ISm.25:27-31; Cl.4:1). “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”, (Pv.15:1).  Quantos problemas seriam evitados se os litigantes, ou pelo menos um deles, tivessem autocontrole e governassem os seus espíritos, (Pv.16:32; 19:11). “Melhor é sofrer o dano do que dar escândalos”, (ICor. 6:1-7);

8)      – No seu reconhecimento: Reconheceu que Davi estava na vontade de Deus e seria o futuro rei, (ISm.25:26-31). Por esta razão chamou-o de “meu senhor” por 14(quatorze) vezes, (ISm.25:24-31). Ela era uma mulher sintonizada com a vontade de divina, pois mencionou o nome do Senhor por 07(sete) vezes neste episódio, (ISm.25:26,28-31). Era também conhecedora das Escrituras, (ISm.18:17; 25:28);

9)      – No resultado alcançado: As palavras de Abigail aplacaram a ira de Davi e o levaram a agradecer a Deus por tê-la enviado ao seu encontro, desviando-o do seu terrível intento, (ISm.25:32-34). “Bem aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”, (Mt.5:9);

10)  – No modo de avisar ao marido: Ao retornar a sua casa, Abigail encontrou o seu esposos totalmente embriagado. Ela achou prudente nada lhe revelar do que acontecera, pois ele não estava em condições de entender. No dia seguinte, quando ele estava sóbrio, revelou-lhe o que se passara, o que deixou o seu coração amortecido e como que petrificado, (ISm.25:36,37). Ela esperou o momento propício para dar a notícia. Se tivesse comunicado antes, não seria entendida, e podia até mesmo resultar em uma discussão infrutífera. “A palavra a seu tempo quão boa é” .(Pv.15:23; 25:11).



IV – ABIGAIL E A SUA PRUDÊNCIA RECOMPENSADA:
1) -  Na morte de Nabal: O Senhor feriu Nabal e ele morreu, (ISm.25:38), e assim, Davi
reconheceu que o Todo poderoso agiu com justiça, (Ism.25:39). Com a morte do esposo, Abigail recebeu a vitória no seu lar, ficando livre do jugo desigual que a prendia ao marido, (Rm.7:2; ICor.7:39);

3)      – No convite para ser esposa de Davi: Com a morte de Nabal, Davi propôs casar-se com Abigail, (ISm.25:39-42). Certamente, ele viu nela não somente a beleza física, mas também espiritual, (IPed.3:3-6). “A mulher prudente vem do Senhor”, (Pv.1914).Ela, que havia se humilhado, é agora exaltada. Com este casamento, ela veio a ser rainha;

4)      – No nascimento de seus filhos: A Bíblia não registra que ela teve filhos com Nabal, ou qual a causa disso. Entretanto, como esposa de Davi, ela teve dois: Quileabe e Daniel. Embora alguns estudiosos afirmem que o Quileabe de IISm.3:3 seja o mesmo Daniel de ICrôn.3:1.


V – ABIGAIL, UM TIPO DA IGREJA DE CRISTO:
1)      - Ela vivia ligada a um homem mau e violento: Sem Jesus, nós estávamos dominados e ligados ao pecado, (Sl.14:2; Rm.3:23), o qual nos escraviza, (Jo.8:34). Estávamos “casados” com o mal, o vício, a vaidade, ou seja, com as obras da carne, (Gl.5:19-21), uma alusão a Nabal;

2)      –  Ela teve um encontro com Davi: Assim também nós tivemos um encontro com Jesus, (Mt.11:28), que nos salvou, (Jo.3:16) e nos purificou de todos os nossos pecados, (IJo.1:7). Abigail deu víveres a Davi. Nós concederemos a Cristo os nossos corações, (Pv.23:26; Rm.10:9,10);

3)      – Após o encontro de Abigail com Davi, Nabal morreu: Como resultado do nosso encontro com Jesus, morreu o nosso “Nabal”, ou seja, o domínio do pecado em nossa vida, (Rm.6:6-14),e passarmos a ter paz, (Jo.14:27) e convicção do perdão dos nossos pecados, (Ap.1:5);

4)      – Ela foi convidada para ser esposa do rei: Pela salvação, a Igreja tornou-se a Noiva do Cordeiro, (Ap.22:17; IICor.11:3), e está esperando a qualquer momento sair ao seu encontro, para a realização do casamento, (Mt.25:1_13). Assim como Davi mandou  mensageiros para convidar e trazer Abigail, da mesma forma o Senhor enviou o Seu Espírito  à terra, para a missão de convencer o homem do seu pecado e, pela salvação, transformá-lo e prepará-lo, (IICor.3:18). Ela que hoje é a noiva, naquele dia será a esposa do Cordeiro (Apoc.19:7; 21:9), e por toda a eternidade estará ao seu lado.

CONCLUSÃO:
Tenhamos uma vida de prudência em todos os momentos de nossa existência, a fim de usufruirmos as extraordinárias bênçãos vindas da parte de Deus. Não somente nas coisas relacionadas com o presente, mas também nas que dizem respeito à eternidade, ao lado de Jesus.
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/
LEIA MAIS...

Nabopolassar, o pai de Nabucodonosor

0 comentários
No caldaico, «Nabu, protege o filho!» Ele foi rei da Babilônia de 626 a 605 A.C. Foi o primeiro rei da dinastia caldeia. 
Foi o pai de Nabucodonosor II. Começou sua carreira como um pequeno chefe caldeu do sul da Babilônia. Tornou-se rei por ocasião da morte do rei Assurbanipal, da Assíria, em 626 A.C. Em seguida, Nabopolasar obteve rápidas vitórias sobre os assírios, tendo conquistado Nipur e Uruque, de tal modo que, no espaço de poucos anos, já era o senhor da Babilônia inteira.

A fim de garantir o futuro, estabeleceu aliança com CÍaxares, rei dos medos. O casamento entre membros das duas famílias selou o acordo. Ele e os medos conquistaram a cidade de Nínive, em 612 A.C. E o império assírio foi dividido entre os vitoriosos. A parte sul do império assirio coube a Nabopolassar. Em 609 A.C., Harã, a última das fortalezas assírias, caiu, e a Babilônia tornou-se o poder supremo. No entanto, Nabopolassar teve de enfrentar os egípcios, que estavam querendo obter uma fatia do ex-império assirio. Foi Nabucodonosor, o príncipe herdeiro, que conseguiu fazer os egípcios retrocederem, tendo obtido sobre eles uma completa vitória, em 605 A.C. Naquele mesmo ano, Nabopolassar morreu na Babilônia.

Nabopolassar gostava de apresentar-se como um rapaz humilde que muito subiu na vida; mas ele nunca conseguiu deixar de jactar-se de haver derrotado a Assíria. Após tal vitória, ele realizou algumas notáveis obras públicas, nos campos da irrigação e do embelezamento da Babilônia.

Nabopolassar não é mencionado na Bíblia. Mas Josias, rei de Judá, durante a época de Nabopolassar, pode ter mantido relações amistosas com ele, da mesma maneira que Ezequias fora aliado dos babilônios, o que pode ter criado uma atmosfera de amizade entre os hebreus e os babilônios. Todavia, essas relações amistosas em breve seriam envenenadas com o cativeiro babilónico de Judá. Josias, rei de Judá, perdeu a vida em Megido, na fútil tentativa de fazer estacar a marcha do exército egípcio, que pretendia ajudar aos assírios, que estavam sendo atacados por medos e babilônios.

Fonte: http://bibliotecabiblica.blogspot.com.br
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/


LEIA MAIS...

Abimeleque, "Meu Pai é Rei"

0 comentários
Abimeleque
Significado:
[Meu Pai é Rei].

Pode se referir quer a um nome pessoal, quer um título oficial de vários reis filisteus, talvez similar ao título Faraó entre os egípcios, e César entre os romanos.

1. Rei da cidade de Gerar
, onde Abraão e Sara residiram temporariamente por volta de 1919 AEC. Pensando que os dois fossem irmão e irmã, o rei tomou Sara para se tornar sua esposa, mas providencialmente, não tocou nela. Advertido por Jeová num sonho, o rei devolveu Sara a Abraão, junto com uma compensação consistindo em gado e escravos, e, além disso, em mil siclos de prata (c. US$ 2.200), como garantia da castidade de Sara. Algum tempo depois, este rei celebrou em Berseba um pacto de paz e de confiança mútua com Abraão. — Gên 20:1-18; 21:22-34.

2. Possivelmente outro rei de Gerar, no tempo em que Isaque foi para lá por causa duma fome. Isto aconteceu depois da morte de Abraão em 1843 AEC. Isaque, igual ao seu pai Abraão, tentou fazer Rebeca passar por sua irmã, mas quando o rei, por acaso, descobriu que ela era a esposa de Isaque, emitiu um decreto público concedendo-lhes proteção. No entanto, a prosperidade de Isaque, dada por Deus, tornou-se motivo de inveja, e o rei pediu assim que Isaque se mudasse dali. Algum tempo mais tarde, este rei de Gerar celebrou um pacto de paz com Isaque, similar ao que seu predecessor havia feito com Abraão. — Gên 26:1-31.

3. Rei filisteu da cidade de Gate, nos dias de Davi. — Sal 34:cab.

4. Filho do juiz Gideão, nascido de sua concubina em Siquém. Após a morte de seu pai, Abimeleque, com presunçosa desfaçatez, procurou fazer-se rei. Astuciosamente, apelou para os proprietários de terras de Siquém, por meio da família influente de sua mãe. Ao obter o apoio financeiro deles, contratou alguns facínoras, dirigiu-se à casa de seu pai em Ofra e ali massacrou seus meios-irmãos sobre uma só pedra. Dentre seus 70 meios-irmãos, apenas o caçula, Jotão, escapou da matança.

Abimeleque foi então proclamado rei, mas Jeová permitiu que um espírito mau se desenvolvesse entre os siquemitas e seu novo “rei”, a fim de vingar a culpa de sangue de todos os ligados à conspiração. Gaal organizou uma revolta. Abimeleque rapidamente a esmagou, capturou e destruiu a cidade de Siquém, e polvilhou-a com sal. Daí, atacou a cripta da casa ou santuário de El-Berite, e a incendiou, e, na conflagração, cerca de mil de seus anteriores colaboradores, os proprietários de terras, da torre de Siquém, que se haviam refugiado ali, morreram queimados. Imediatamente, Abimeleque deu seqüência a este êxito por atacar Tebes, ao N, apenas para uma mulher, da torre da cidade, lhe lançar uma mó superior na cabeça. O “reinado” de três anos de Abimeleque chegou ao fim quando seu escudeiro, satisfazendo seu último pedido, o traspassou com a espada, de modo que não se pudesse dizer que fora uma mulher que o matara. — Jz 8:30, 31; 9:1-57; 2Sa 11:21. 


5. O texto massorético, que a versão Almeida segue, reza “Abimeleque” em 1 Crônicas 18:16. A Septuaginta grega, a Vulgata latina, a Pesito siríaca e 12 manuscritos hebraicos rezam “Aimeleque”, que concorda com 2 Samuel 8:17.

Fonte: http://bibliotecabiblica.blogspot.com.br/2009/07/estudo-biblico-abimeleque.html
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/

LEIA MAIS...

Zaqueu, o Publicano

0 comentários
Lucas 19:1-10

Você já deve ter lido algumas vezes o relato sobre o encontro entre Zaqueu e Jesus. Zaqueu era um homem rico, um coletor de impostos para o governo de Roma em Jericó.
Os judeus consideravam os Publicanos como traidores e desprezíveis pelo fato de estarem ajudando Roma a extorquir Israel.

O caráter dos publicanos não era dos mais confiáveis, porque eles geralmente cobravam grandes somas de dinheiro, além do estipulado por Roma em benefício próprio.

O sistema de recolhimento de impostos era sujeito a abusos, Roma franqueava ao publicano uma determinada área, pela qual ele seria responsável para arrecadar impostos, ao publicano era estipulada à quantia anual que deveria ser recolhida, mas os coletores cobravam taxas bem superiores ficando com o excedente.

Alguns coletores aceitavam suborno dos ricos diminuindo a taxa deles e sobrecarregando os pobres para compensar.
O povo se sentia massacrado com tantos impostos.
Os judeus não aceitavam o fato de que um irmão estivesse trabalhando para usurpadores.
Para alimentar a realização de seus sonhos ambiciosos o Império Romano precisava de uma grande soma de dinheiro para a manutenção dos exércitos, a construção de anfiteatros, estradas.
Era altamente dispendioso alimentar as ambições de Roma e para encher seus cofres os romanos cobravam pesados impostos.

Inevitavelmente, Zaqueu sentia a pressão daquela situação.

Convivia com o ódio dos judeus.
Ele tentou ser aceito ganhando posição e dinheiro, mas logo descobriu que continuava a ser rejeitado, porque por ser judeu não era aceito pelos romanos e por estar ajudando a Roma não era amado pelos judeus.

Na ânsia de buscar aceitação de ambos os grupos, terminou encontrando o desprezo total.

Essa rejeição deve Ter provocado feridas profundas nele e em sua família.
No seu interior Zaqueu sofria com o isolamento, ELE DESCOBRIU QUE O DINHEIRO NÃO PODIA COMPRAR O AMOR. FOI NESTE CONTEXTO, QUE ZAQUEU COMEÇOU A OUVIR SOBRE JESUS.

AQUI COMEÇAMOS A PERCEBER OS VALORES DE ZAQUEU
1) ELE RECOBROU A VISÃO DA IMPORTÂNCIA DE DEUS E DE SUA FAMÍLIA(v. 3a)

#Procurava ver quem era Jesus...#.
A nossa vida é resultado da maneira como vemos a Deus.
A maneira como pensamos, como decidimos, como optamos, como escolhemos, como priorizamos, Nossos valores, nossa conduta depende da maneira como vemos a Deus, o que Ele significa para nós e o que significamos para Ele.


2) NÃO SE INIBIU COM SUAS LIMITAÇÕES(v. 3-4)

[3] procurava ver quem era Jesus, mas não podia, por causa da multidão, por ser ele de pequena estatura.
[4] Então, correndo adiante, subiu a um sicômoro a fim de vê-lo, porque por ali havia de passar.

Zaqueu era baixo e não podia ver a multidão.

Porém, ele não desistiu de seu alvo.
Ele queria ver Jesus e procurou os meios através dos quais poderia alcançar seu objetivo.
Muitas pessoas desistem facilmente, basta um obstáculo.
Se você quer alcançar seu objetivo, tem que vencer as limitações tem que encarar as dificuldades sem medo.

Se você quer a bênção de Deus, não desista quando os obstáculos surgirem.

3) OLHOU NA DIREÇÃO CERTA(v. 4b)
#... Ali havia de passar...# Já pensou se ele fosse para a árvore errada.

Há muita gente desejando ver, mas olhando na direção errada.
Para alcançarmos o que necessitamos não é necessário ser Grande; Importante; Muito inteligente.

A ÚNICA COISA NECESSÁRIA É OLHAR NA DIREÇÃO CERTA.
4) ENXERGOU ALÉM DO QUE VIU(v. 8-9)

[8] Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais.
[9] Então, Jesus lhe disse: Hoje, houve salvação nesta casa, pois que também este é filho de Abraão.


Zaqueu viu que quem estava ali não era um simples profeta, ou um mestre, mas o Messias.

Zaqueu podia haver hospedado Jesus, Ele ter ido embora e tudo haver continuado como antes, MAS VIU ALGO PARA ALÉM DA PRESENÇA DE JESUS, VIU A POSSIBILIDADE DE SALVAÇÃO.

Muitas pessoas não conseguem enxergar mais do que estão vendo.

5) INVESTIU NAQUILO EM QUE CREU(v. 8)

[8] Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais.

Zaqueu entendeu que havia algo que cabia a ele fazer. Há muita gente que quer alcançar o que necessita, mas não investe para isso.

Se você tem um objetivo, uma visão, um projeto, HÁ ALGO QUE VOCÊ PRIMEIRAMENTE TEM QUE FAZER: INVESTIR NISSO.

Sendo homem rico e conhecido em Jericó não temeu o ridículo, diante de uma limitação física, ele subiu em uma árvore.

Ao subir na árvore Zaqueu estava confessando diante de todos, que reconhecia que Jesus era mais importante do que o seu dinheiro e a sua posição.

VOCÊ TERIA CORAGEM DE SE EXPOR E SE DESPOJAR DESTA FORMA DIANTE DE TODOS
SABE QUAIS FORAM OS RESULTADOS DESSE ESFORÇO DE ZAQUEU?

1) JESUS O VIU
É isso que chama atenção de Deus. Busca de coração, não só de mente.

Os nossos esforços e a nossa busca não passam desapercebidos aos olhos de Jesus,

Jesus o chamou pelo nome e esta foi uma forma de começar a curá-lo, pois todos o conheciam como o cobrador de impostos, o publicano, mas Jesus não chamou Zaqueu pelo rótulo imposto pela sociedade, Ele o chamou pelo nome, honrando-o diante dos olhos de todos.

Se você precisa de Jesus na sua vida, em sua casa, demonstre isso.

2) JESUS TRANSFORMOU ZAQUEU(v. 8)

Este poder transformador não está no dinheiro, no prestígio, no lucro, na fama. Esse tipo de transformação só acontece quando estamos com Jesus, assentados com Ele, O ouvindo.

3) JESUS SALVOU A CASA DE ZAQUEU(v. 9-10)

[9] Então, Jesus lhe disse: Hoje, houve salvação nesta casa, pois que também este é filho de Abraão.
[10] Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido.


A salvação não foi só de um homem, foi de toda a família. A salvação chegou para a casa toda. Ele veio salvar o perdido. ALGUMA COISA SE PERDEU EM SUA VIDA, EM SUA CASA?

Fonte: www.estudodabiblia.com.br/Estudos/zaqueu um homem que despertou.htm
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/

LEIA MAIS...

MARIA - MÃE DE JESUS - UMA MULHER DÍGNA DE SER IMITADA

0 comentários
INTRODUÇÃO
Quero falar de uma mulher que merece estar no pedestal. É claro que se ela estivesse viva ela diria: “longe de mim tal merecimento”. Mas para falar de Maria, mãe de Jesus, eu digo como Paulo: “Dai a cada um o que lhe é devido:.... a quem honra, honra”(Rm 13:7).

Maria é uma mulher digna de ser imitada não só pelas mulheres, mas por todos os cristãos de todos os tempos: por sua humildade, coragem, abnegação, fervor e fidelidade a Deus. Ela foi uma mulher que esteve pronta a correr todos os riscos para realizar a vontade de Deus. Vejamos a seguir algumas características importantes dessa mulher maravilhosa.

1. Maria uma mulher escolhida por Deus para ser a mãe do Senhor Jesus. Ser a mãe do Messias era o desejo de qualquer mulher israelita. O povo esperava um Messias da linhagem de Davi, porém um Messias ditatorial, guerreiro, libertador, déspota, invencível, mas nunca jamais imaginaram vir o Messias de alguma cidade da Galiléia, a Galiléia dos Gentios (Mt 4:15), principalmente de uma família pobre de Nazaré. O povo de Jerusalém desdenhava os judeus da Galiléia e dizia que eles não eram puros em virtude do seu contato com os gentios. Eles especialmente desprezavam os habitantes de Nazaré (João 1:45,46), mas Deus, em sua graça, escolheu uma jovem pobre, da pequena cidade de Nazaré, na pobre região da Galiléia, para ser a mãe do Messias prometido. Essa escolha teve sua origem na graça de Deus e não em qualquer mérito dela. Deus não chama as pessoas porque são especiais, mas elas se tornam especiais porque Deus as chama.

Quando o anjo aparece a Maria, pela primeira vez, quando da escolha para ser a mãe do Salvador ele diz; “...Salve, agraciada; o Senhor é contigo”(Lc 1:28). Agraciada significa favorecida, não merecedora, pois graça significa favor não merecido. Observe, também, que a mensagem do anjo estava na criança, e não em Maria. O Filho seria grande, não ela(Lc 1:31-33). O nome da criança resumia o propósito do seu nascimento. Ele seria o Salvador do mundo(Lc 1:31; Mt 1:21). O anjo revela a Maria que a concepção seria um milagre. Disse-lhe o anjo: “Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus”(Lc 1:35).

O Deus Filho tornou-se humano por meio de uma concepção milagrosa, operada pelo Espírito Santo no ventre de Maria. O Deus infinito, o Criador do universo, tornou-se um pequeno embrião humano no ventre de Maria. Dentre muitas jovens ricas daquela época e de famílias que moravam em Jerusalém, escolheu uma humilde e simples jovem da mais humilde e desprezível cidade dos termos de Israel. Considero isso um privilégio! “...porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração”(1 Sm 16:7).

2. Maria, uma mulher disponível para Deus - “Disse então Maria. Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1:38). O anjo chamou Maria de “favorecida”, porém, ela preferiu um termo bem mais humilde: serva. Não serva de Gabriel, de José ou de homem algum, mas do próprio Senhor. Essa atitude de Maria resume toda a sua filosofia de vida. Maria se coloca nas mãos de Deus para a realização dos propósitos de Deus. Ela é serva. Ela está pronta. Ela se entrega por completo, sem reservas ao Senhor. Ela está pronta a obedecer e oferecer sua vida, seu ventre, sua alma, seus sonhos ao Senhor. Ela está disponível para Deus. Ela está pronta a sofrer riscos, a desistir dos seus anseios em favor dos propósitos de Deus. Ela está pronta a ser uma sócia de Deus, não uma igual com Deus, mas uma serva. Ela diz: “cumpra-se em mim conforme a tua palavra”. Estes termos mostram que ela estava disponível para Deus. De todos os úteros da terra, o seu útero foi escolhido para ser o ninho que ternamente acalentaria o Filho de Deus feito homem. A serva de Deus, Maria, se apresenta, bate continência ao Senhor dos Exércitos e se coloca às suas ordens.

3. Maria, uma mulher disposta a correr riscos para fazer a vontade de Deus – “... cumpra-se em mim segundo a tua palavra”(Lc 1:38). Para fazer a vontade de Deus há um preço a cumprir. Sempre foi assim ao longo da história da igreja àqueles que ergueram a bandeira de obediência ao Senhor Deus. Maria arriscou tremendo reveses em sua vida quando se propôs em fazer a vontade do Senhor: ser a Mãe do Salvador do mundo, o Messias.

a) Risco de censuras do povo. Ao aparecer grávida na cidade de Nazaré Maria estava exposta às mais aviltantes censuras, haja vista que o anjo apareceu somente a ela, e não ao povo de um modo geral. Imagine explicar uma gravidez, não explicável, para sua família!. Maria passou um tempo da sua vida sob uma nuvem de suspeita por parte da família e dos vizinhos.

b) Risco de ser abandonada pelo seu noivo, José, por não acreditar em sua gravidez milagrosa. Já que assumiu o compromisso de obedecer a Deus, como enfrentar o homem que amava e lhe dizer que estava grávida e que ele não seria o pai? Certamente, não foi fácil! Mas ela estava disposta a sofrer o desprezo e a solidão. Na verdade, José não acreditou em Maria, pois resolveu abandoná-la(Mt 1:19). Mas o anjo apareceu para ele e lhe contou a verdade e ele creu na mensagem do anjo e nas palavras de Maria(Mt 1:20). A Bíblia não registra nenhuma palavra direta de José. Ele simplesmente obedeceu.

c) Risco de ser apedrejada em público. O risco de Maria ser apedrejada era enorme, pois esse era o castigo para uma mulher adúltera. Como ela já estava comprometida com José(Mt 1:19), ele poderia, com base nos ditames da Lei Mosaica, mandar apedrejá-la. A Lei era enfática: “Se houver moça virgem desposada e um homem a achar na cidade, e se deitar com ela, trareis ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis até que morram: a moça, porquanto não gritou na cidade, e o homem, porquanto humilhou a mulher do seu próximo. Assim exterminarás o mal do meio de ti”( Dt 22:23,24).

Percebe-se que Maria dispôs-se a pagar um alto preço por sua obediência ao projeto de Deus. Maria era uma jovem pobre, agora grávida, com o risco de ser abandonada pelo noivo e apedrejada pelo povo. Mas ela não abre mão de ir até o fim, de lutar até a morte, de sofrer todas as estigmatizações possíveis para cumprir o projeto de Deus.

4. Maria, uma mulher feliz porque creu em Deus – “Bem-aventurada aquela que creu que se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas”(Lc. 1:45). Bem-aventurada quer dizer muito feliz. Maria não foi considerada feliz porque foi pedida em casamento por um milionário da região, nem por ser considerada a moça mais bonita de Nazaré, nem por ser a mais simpática da região, não. Isabel chama-a de muito feliz porque ela creu em Deus. Maria mesmo reconheceu que por ser a mãe do Salvador, ela seria considerada uma mulher muito feliz por todas as gerações(Lc 1:48).

5. Maria, uma mulher disposta a andar com Deus, mesmo diante das crises que a rodeavam. Maria, uma serva de Deus que merece ser imitada e respeitada. Nada poderia abalar sua fé, nem mesmo as piores crises. Tudo suportou por amor a Deus.

a) A crise do desabrigo. Após andar 130 quilômetros a pé ou de jumento, de Nazaré até Belém, ela dar à luz uma linda criança, o seu primogênito, o Filho do Altíssimo, o Verbo que se fez carne. Bem, o Filho do Altíssimo deve ter nascido em berço de ouro, por ser também da linhagem do rei Davi! Não, todos sabemos que ele nasceu numa humilde manjedoura, rodeados de animais, e num local não muito cheiroso. Se ela duvidou de Deus? Não, claro que não! Maria, além de uma mulher exemplar, ela era uma serva do Senhor, plenamente submissa a Ele. Ela não duvidou de Deus, não lamentou, não murmurou, nem se exaltou. Não reivindicou seus direitos, nem exigiu tratamento especial. Ela dá à luz ao seu filho sem um lugar propício, sem um médico ou parteira. Ela está sozinha com o seu marido, sem luzes, sem holofotes, sem cuidados, sem proteção humana.

b) A crise do desterro. Por força de um intento maligno do rei Herodes em matar o seu filho, Maria foge para o Egito. A crise agora foi ainda mais cruenta: era a crise de se sentir sem lugar certo para morar. Maria está enfrentando a crise de sentir-se desterrada, perseguida, ameaçada. Vão para um lugar onde serão ninguém, onde todos os vínculos importantes estarão ausentes. Ela é humilde o bastante para fugir. Corajosa o suficiente para enfrentar os perigos do deserto. Ela caminha sintonizada pelas mãos da Providencia Divina. Ser mãe do Messias em vez de trazer-lhe status, glória e honra traz-lhe solidão, perseguição, desterro. Ela obedece à voz do anjo que imperativamente disse: “...permanece lá até que eu te avise...”(Mt 2:13).

c) A crise da discriminação social. Após o retorno do Egito, Maria foi morar em Nazaré da Galiléia, juntamente com José e Jesus. Nazaré era considerada como subúrbio do fim do mundo. Era um dos maiores covis de ladrões e prostitutas da época. O comentário geral era que de Nazaré não saía nada de bom (João 1:46). Era uma região sem vez, sem voz, sem representatividade. Era um lugar de péssima reputação. Mas é lá nesse caldeirão de terríveis iniquidades, nessa região da sombra da morte, que o Filho de Deus vai crescer para ser o Salvador do Mundo. É como se Deus estivesse armando a sua barraca nas malocas mais perigosas da vida. O Filho de Deus, o Rei dos reis, deveria ser chamado não de cidadão da gloriosa Jerusalém, mas de Nazareno, termo pejorativo, sem prestigio.

6. Maria, a mãe privilegiadarecebeu nos braços o Filho de Deus – o seu próprio Salvador e Senhor. Imagine ser mãe de um ser que foi preexistente a tudo e a todos. A Bíblia notifica e reivindica esse fato. Jesus é preexistente a todas as coisas – “Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas”(Cl 1:17). Maria se torna mãe do seu Salvador e Senhor, isto é um fato, que pode ser visto com clareza, à luz das Escrituras:

a) O anjo disse a Maria que o seu filho seria o Filho do Altíssimo (Lc 1:32). Jesus, como Filho de Deus foi preexistente à sua mãe. Ele é o Pai da eternidade (Is 9:6). Ele é o Criador do Universo(Gn 1:1; João 1:3). Maria é mãe da natureza humana do Verbo eterno e divino(João 1:1). Quando o catolicismo romano proclama Maria “mãe de Deus”, deixa de perceber a incongruência lógica e teológica dessa afirmação, haja vista que Jesus é preexistente à Maria. A simples afirmação de que Maria é mãe de Deus despoja-O de seus atributos exclusivos de eternidade e divindade, pois se Deus teve mãe, Ele teve inicio, e se teve inicio, não é eterno, e se não é eterno, não pode ser Deus.

b) Os anjos proclamaram em Belém que o filho de Maria era o Salvador, o Messias e o Senhor – “É que vos nasceu hoje, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor”(LC 2:11). Os anjos não fizeram nenhuma menção a Maria, mais disseram que tinha nascido o Salvador e Senhor, o Cristo esperado, o Senhor e Salvador de Maria e de todo o ser humano. Essa noticia dos anjos não foi dada no Templo, mas nas Campinas. Não foi dada aos sacerdotes, mas aos humildes pastores de ovelhas. Os anjos disseram que tinha nascido o Cristo, o Senhor. Seu trono está firmado para sempre, não terá fim(Lc 1:33). Todos os reinos dos povos cairão, mas seu reinado será estabelecido para sempre.

7. Maria, e o dia de seu maior sofrimento. Quando da apresentação de Jesus no Templo, em cumprimento aos ditames da Lei( Lc 2:27), Simeão, um ancião de Jerusalém, disse à Maria que “uma espada transpassará a tua alma”(Lc 2:35). É claro que Maria não entendeu nada do que se dizia de Jesus naquele momento, apenas se admirava do que se dizia de Jesus(Lc 2:33). Mas, trinta e três anos após cumpriu-se esta profecia, lá na cruz do calvário. Foi um dia negro da história da humanidade e, principalmente, na vida de Maria, contudo, um dia mais glorioso da história da humanidade. Era um dia de contrastes: Jesus morria, Jesus vencia; Jesus era humilhado, Jesus era glorificado; Ele era cercado de ódio por todos os lados, mas transbordando de amor por todos os poros.
Ao pé da cruz, está Maria sofrendo indescritivelmente ao ver seu filho primogênito morrendo sem sangue, exausto, sem forças. Ali, uma espada traspassou a sua alma. A espada era invisível, mas não o seu efeito. Na cruz, Jesus confia sua mãe a João, seu discípulo amado. Diz o trecho bíblico em João 19:26, 27: “ Vendo Jesus sua mãe e junto a ela o discípulo amado, disse: Mulher, eis ai teu filho. Depois, disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. Dessa hora em diante, o discípulo a tomou para casa”. Ali na cruz, Jesus revelou seu amor cheio de cuidado por sua mãe. Ali, Jesus ensina que os filhos precisam cuidar dos pais. Jesus, o fez porque José já havia morrido e seus irmãos não acreditavam nEle(João 7:5), e além do mais, João era sobrinho de Maria.

8. Maria, a discípula de Jesus. Maria só despertou-se para seguir realmente a Jesus, após a sua morte e ressurreição, mais precisamente após a sua ressurreição. Por seus irmãos não crerem em Jesus(João 7:5), apesar dos milagres que Ele operava na Galiléia(João 7:3), Maria, certamente, duvidava que Jesus fosse o Messias, é tanto que ela e seus outros filhos foram prender a Jesus, achando que Ele estava “fora de si”(Mc 3:20), por estar há muito tempo sem comer. Com as multidões sempre o pressionando, Jesus não tinha sequer tempo para alimentar-se. Maria e seus filhos estavam preocupados com Jesus, mas não entendiam o seu ministério. Mas, após a sua ressurreição toda a sua família, inclusive Maria, tornou-se discípulos de Jesus. Com certeza, eles estavam dentre os quinhentos que Jesus aparecera (1Co 15:6). É tanto que Maria e os irmãos de Jesus estavam entre aqueles que aguardavam, em oração, a promessa do derramamento do Espírito Santo, no cenáculo (cf At 1:14). É a última vez que Maria aparece na Bíblia. Fechou sua passagem pela Bíblia com chave de ouro: recebeu o Batismo com o Espírito Santo e tornou-se uma discípula de Jesus revestida de poder. Observe bem que no cenáculo, Maria tomou o seu lugar com os outros cristãos que aguardavam a promessa do Batismo com o Espírito Santo. Ela não estava separada dos demais e nem acima deles. Ela estava na companhia daqueles que eram seguidores do Senhor Jesus. A Bíblia não diz que Maria recebeu uma porção especial do Espírito. Ela não foi mais cheia que os demais, não. Na verdade, seu lugar doravante foi discreto. Seus filhos, Tiago e Judas, são mencionados e escreveram livros da Bíblia, mas Maria não é citada mais, nem pelos apóstolos, nem pelos seus próprios filhos. O propósito dela não era estar no centro do palco, mas trazer ao mundo Aquele que é a Luz do mundo, o único digno de ser adorado e obedecido.

CONCLUSÃOAo longo da sua vida, por sua limitada humanidade, Maria não entendeu todos os aspectos do ministério do seu Filho, mas, sempre soube o seu papel e o desempenhou com discrição, jamais buscando ocupar um lugar central na vida e ministério de Jesus. Os evangelhos não denunciam nenhuma posição de destaque que coloque Maria acima de qualquer pessoa. Ela não foi, em momento algum, o centro das atenções. O realce maior que se dá a essa mulher extraordinária é a posição de serva do Senhor, tomando como destaque o único mandamento que ela deixou: “Fazei tudo o que ele vos disser”(João 2:5).
Que Deus nos ajude a imitar a essa bem-aventurada mulher, e jamais colocá-la num pedestal que nunca Deus a colocou, nem ela jamais aceitaria, mas imitando seu exemplo como humilde serva de Deus. Amém! 

Fonte: www.escoladeprofetasmic.wordpress.com/estudo/maria/ 
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/
LEIA MAIS...

Caim e Abel a História - As Ofertas - O Primeiro Homicídio

0 comentários
Caim e Abel protagonizam a história mais enigmática da bíblia. Caim e Abel nasceram após a queda e expulsão de Adão e Eva do Jardim do Éden.
Estavam portanto bem no início da história da humanidade. Eles possuíam cerda de 100 a 130 anos de idade, quando Caim matou abel.
No livro do Gênesis cap. 4.1-18, não é explicado por que inicia a prática do sacrifício com o objetivo de Adoração.
Muitos estudiosos afirmam que a oferta de Caim não foi aceita porque não envolvia derramamento de sangue; mas o capítulo 4 de Gênesis não dá nenhuma indicação de que Caim e abel achegaram-se a Deus naquele momento para pedir perdão por seus pecados.

A Oferta de Caim e Abel

As ofertas de Caim e Abel eram atos voluntários de adoração. Pelo sistema antigo de sacrifícios de Israel, Deus abençoava tanto as ofertas de cereais como o sacrifício de animais (Lv 6.14-23).
"E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao SENHOR." Gênesis 4:3
Entretanto, a oferta de Caim foi inferior a de Abel porque a motivação de Caim não era boa.

Caim e Abel, Duas Dispensações


Caim trouxe da terra, do seu trabalho, do seu suor, do seu esforço, da sua cultura, do seu arado, da sua produção, da sua tecnologia, da sua capacidade de intervir nos processos da natureza, produzindo uma cultura própria, fruto de um trabalho pessoal, produto de uma concepção mental.
Ele trouxe uma oferta do melhor que possuía. O melhor que seu esforço produziu. O melhor que a sua inteligência pôde arquitetar, aquilo que sua arte pôde alcançar, o resultado do seu esforço.
Abel porém trouxe das primícias do seu rebanho. Agradou-se o Senhor da oferta de Abel, mas da oferta de Caim não se agradou o Senhor. Não há uma explicação clara para tal fato.
"E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para a sua oferta." Gênesis 4:4
"Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante. Gênesis 4:5
A atividade de cuidar de rebanhos é um tanto trabalhosa, porém levando essa atividade para o tempo em que se encontravam Caim e Abel, percebemos que a função de pastor de ovelhas, da época, era uma atividade de vigiar e observar as ovelhas.
Voltava-se para guiá-las aos locais onde havia água e pastos verdes. Oferecia proteção dos animais ferozes e não deixava que os instintos dos rebanhos, se voltassem contra eles próprios.
A atividade de pastor, no tempo de Caim e Abel (nos primórdios do mundo), não exigia muita qualificação para ser feita.
Ser pastor era antes de mais nada, oferecer, para as ovelhas, daquilo que a própria natureza já dispunha, sem a necessidade de uma árdua intervenção humana, que demandava muito esforço.

A Oferta de Caim - Sacrifício Humano

A oferta de Caim se constitui então do resultado de muito esforço humano. Era um trabalho muito dispendioso a agricultura primitiva. Muito arado, muito suor, muita ralação, bolhas e calos nas mãos.
E Caim ainda tinha que aprender, imaginar, desenvolver e aplicar o seu conhecimento no plantio e cultivo da sua produção agrícola. Exigia muita intervenção de Caim nos processos do seu trabalho.
Caim colhe, com confiança, da sua produção, fruto do seu muito esforço, e traz uma oferta para Deus. Uma oferta que mostrava a sua capacidade de intervir na natureza e nos processos de causa e efeito.
A oferta de Caim trazia em si o valor da estética, a beleza de um arranjo vegetal lindo! Um altar vegetal, com muitas frutas e legumes multicoloridos.
O encantamento visual deste tipo de altar é algo espetacular! Sem falar no cheiro suave destes produtos frescos. Os melhores da sua cultura.
A oferta de de Caim é a oferta do esforço, da confiança no seu trabalho, em uma tentativa de seduzir a atenção divina, pelo uso da estética visual.

A Oferta de Abel Aponta para a Graça

Abel, entretanto traz para Deus uma oferta das primícias do seu rebanho. Uma oferta de sangue, oferecendo algo que a própria natureza já quase que por si só havia criado. Uma oferta que mostrava a sua incapacidade.
A Oferta de Abel traz o contraste sanguinolento e feio de um animal degolado e o sangue escorrendo e lavando todo o altar.
A oferta de Abel faz uma afirmação implícita de que havia a necessidade de um substituto, que fosse vicarizado e pagasse pelo pecado do ser humano. Pois sem isso, não se podia agradar a Deus e nem haver uma autojustificação.
A oferta de Abel aponta para a fé, o descanso e a confiança em Deus.

Caim e as religiões

A oferta de Caim representa as religiões da terra, que buscam a justificação por meio de um esforço meritório. Essas religiões buscam uma obra, um sacrifício, um sofrimento auto-imposto para a sua própria justificação.
Já Abel ofereceu um sacrifício que carregava a semente do cordeiro que foi imolado antes da fundação do mundo. Este cordeiro foi materializado na crucificação de Jesus.
"Pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e por ela, depois de morto, ainda fala." Hebreus 11:4
Aquele sacrifício que não exigiu tanto esforço humano, já mostrava que a justificação só se alcança pela fé. Somente pela fé se pode agradar a Deus. Isso não vem de nós, como Caim pensou, mas é dom de Deus.
Para o Deus de Abel não há estética, não há obras de justificação, há somente sangue. Pois o sangue de um inocente foi necessário para tomar o nosso lugar, afim de trazer a pacificação de Deus com a humanidade.
Assim, Deus está pacificado com o Mundo. Hoje é possível agradá-lo, porém ao trazer sua oferta de louvor, lembre-se que não é por seu merecimento, mas é pelo sangue e somente pelo sangue de Jesus que podemos à ele se chegar.

 Fonte: www.rudecruz.com

 ____________________________________________________________________________ 
http://www.portalgrace.com.br/
LEIA MAIS...

João Batista, o maior dos profetas

0 comentários
1) Introdução 

Vivemos numa época de grande crise para o cristianismo duma maneira geral. Época em que muitos se interrogam se fará sentido continuar a falar no amor de Jesus depois dos crimes cometidos por países que se apresentam como evangélicos e que teimam em querer dirigir o trabalho missionário a nível internacional.
Outros procuram uma orientação, um exemplo a seguir no trabalho missionário em geral e na implantação de novas igrejas, já que os velhos métodos de evangelismo parece que só funcionam com os mais ingénuos e se mostram incapazes de atingir a classe pensante do mundo dos nossos dias, cada vez mais esclarecida nesta “aldeia global” em que a informação aparece instantaneamente nos órgãos de informação, inclusive as imagens na TV.
Parece que alguma coisa está mal, mesmo muito mal, nas nossas igrejas.  
Tudo isso levou-me a pensar na seguinte questão: Qual o método mais bíblico e mais indicado para os nossos dias, para a divulgação do Evangelho inclusive para a abertura dum novo ponto de pregação, futura missão e futura igreja?
Esta simples pergunta, quase que nos obriga a mencionar o apóstolo Paulo e talvez com certa razão, pois ele foi um dos maiores exemplos dum verdadeiro missionário e possivelmente é o que melhor se adapta ao nosso contexto cultural.
Mas há um outro, grande pregador, que tem ficado um tanto esquecido nos nossos dias. Refiro-me a João Batista.
Procurando nas páginas da internet, verifico que há mais páginas católicas sobre o “Santo João Batista”, páginas ligadas às tradições populares, assim como páginas espíritas, do que páginas evangélicas sobre este personagem, que pelo facto de ser o elo de ligação entre o Antigo e o Novo Testamento, não sendo bem do Antigo nem bem do Novo Testamento, tem ficado um pouco esquecido.
Mas porque optei por João Batista e não por Paulo?
É que no caso de Paulo, havia já uma igreja pequena em número, mas forte e motivada, cheia do poder do Espírito Santo que apresentou a sua mensagem ao mundo pagão, enquanto que no caso de João Batista, o mal não estava no paganismo nem no ateísmo, o mal estava no próprio mundo religioso e nos seus dirigentes.
Todos sabemos que na época de João Batista, Israel estava dominada por Roma.
Isso levava-me a imaginar uma religião perseguida, as humilhações e sofrimentos dos sacerdotes, símbolo da resistência do povo, e o esforço para conservar viva a sua fé no meio de tanta perseguição, mas afinal... depois de aprofundar o assunto baseado em dados históricos dessa época, não posso deixar de ficar admirado, por ter encontrado uma realidade bem diferente da que esperava. Pois fiquei admirado e abalado por ter chegado à conclusão de que nesses dias, em que estava iminente a chegada do Messias....... havia uma grande semelhança  com a realidade dos nossos dias. 
É este o principal motivo que me leva a iniciar este artigo para tentar compartilhar com os leitores da minha página estes pensamentos sobre João Batista.

2) Quem foi João Batista?

João Batista nasceu cerca de cinco meses antes de Jesus o Cristo numa região montanhosa de Judá.
Tanto seu pai, o sacerdote Zacarias, como sua mãe Isabel, eram descendentes de Aarão. Sua mãe era prima de Maria, a mãe de Jesus.
O nascimento de João Batista foi um caso invulgar. Segundo nos conta Lucas 1:5/25, seus pais eram pessoas de vida irrepreensível mas ambos já eram pessoas idosas e Isabel era estéril.
Certo dia, quando Zacarias oferecia incenso no Templo, o anjo Gabriel apareceu para lhe dizer que sua mulher iria ter um filho que seria João, que este seria cheio do Espírito Santo desde o seu nascimento e teria a função de preparar o povo de Israel para a vinda do Messias.  

3) Contexto histórico e cultural da época de João Batista

A época de João Batista, é praticamente a mesma em que viveu Jesus o Cristo.
Israel já não era nação independente. Neste caso particular, a Judeia tornara-se numa província do Império Romano no ano 6, e Roma impunha as suas leis, embora fosse tolerante a ponto de manter em vigor a legislação dos vários países conquistados enquanto essa não colidisse com a Lei Romana.
Assim, o Sinédrio de Jerusalém, embora continuasse a funcionar como a mais alta representação política, jurídica e religiosa, aspectos que nem sempre é fácil de se dissociar nessa cultura, já não tinha a última palavra no aspecto jurídico.
Este facto pode ser apresentado sob dois aspectos bem diferentes: Uns podem dizer que deixou de haver liberdade de religião, pois os sacerdotes deixaram de poder cumprir livremente todas as prescrições da Lei de Moisés. Mas, para o vulgar israelita, que era israelita por ter nascido em Israel, por ter sido circuncidado em tenra idade, que estava pressionado por centenas de leis e regulamentos, que inclusive não podia escolher outra religião nem dar mais de uns tantos passos em dia de sábado sem que fosse condenado à morte de acordo com a Velha Lei, talvez a Lei Romana, que tirou ao Sinédrio o direito de aplicar a pena de morte, lhe trouxesse nessa altura, alguma liberdade, inclusive para escolher qualquer outra das religiões que apareceram em Israel devido à liberdade de religião do Império Romano, religiões que, de acordo com a Velha Lei deveriam ser exterminadas de Israel assim como todos os seus praticantes.
Segundo Levítico 24:16 os casos de blasfémia eram punidos com a pena de morte, mas não se encontra uma definição de blasfémia, assunto que ficava um tanto ao critério dos membros do Sinédrio.
O Império Romano, sempre que possível, tentava pacificar os territórios conquistados, mantendo os privilégios da classe dominante. Esse foi também o caso de Israel na época em que João Batista inicia a sua pregação.

Segundo nos conta o historiador Joaquim Jeremias, nessa época de dominação romana, época de João Batista e do próprio Jesus Cristo, embora a Judeia, e todo o território de Israel, estivesse dominado por Roma, os soberanos da dinastia herodiana, judeus de influência romana, viviam com um luxo indescritível. Tinham grandes palácios com arquitectura romana, mas mantiveram a sua fidelidade a algumas antigas tradições do oriente, nomeadamente a poligamia, pois tinham haréns que aliás eram permitidos pela Velha Lei e pela tradição, pois a Mishna permitia o máximo de dezoito mulheres e o Talmude, vinte e quatro a quarenta e oito. Herodes o Grande (37 a 4 A.C.) só teve dez mulheres, mas os seus descendentes, nesse aspecto foram maiores do que ele.
Herodes Antipas, rei da Judeia, era filho de Herodes o Grande, portanto da aristocracia de Israel, mas o pormenor mais importante é que tinha sido educado em Roma que além da Judeia lhe concedeu as tetrarquias da Galileia e da Pereia onde fundou a sua capital em Tiberíades. Embora israelita, mas com mistura de sangue, era um rei fiel a Roma que tinha sido tão generosa para ele. Mas o mais estranho é que, segundo alguns historiadores, sendo Herodes Antipas um rei israelita, a sua guarda pessoal era constituída por tropas trácias e germânicas, a que vieram juntar-se cerca de quatrocentos guardas gauleses da guarda pessoal de Cleópatra, depois desta se suicidar, pois o Rei da Judeia temia mais os seus súbditos do que os estrangeiros.
Mas ao falar em vida faustosa, não nos podemos limitar à aristocracia herodiana.
Os altos sacerdotes viviam em palácios na zona alta de Jerusalém, como aliás se vê nas passagens dos evangelhos que falam no julgamento de Cristo.
Segundo Marcos 14:53/55 E levaram Jesus ao sumo-sacerdote, e ajuntaram-se todos os principais dos sacerdotes, e os anciãos e os escribas. E Pedro o seguiu de longe, até dentro do pátio do sumo-sacerdote, e estava assentado com os servidores, aquecendo-se ao lume. E os principais dos sacerdotes, e todo o Concílio ....... Sabe-se que esse Concílio, ou Sinédrio, como era conhecido, era constituído por muitas dezenas de pessoas, e se juntarmos os seus funcionários (escribas) podemos imaginar certamente mais de cem pessoas que couberam perfeitamente numa das salas da residência do Caifás que tinha um pátio interior certamente bem espaçoso, pois deu para acenderem uma fogueira para se aquecerem.
Segundo podemos ver em João 18:17, até havia uma porteira em casa do sumo-sacerdote, o que nos dá uma ideia do grande número de pessoas a entrar e sair e das dimensões do edifício.
Mas não podemos ignorar que havia um grande desnível entre os principais sacerdotes e os vulgares sacerdotes. Flávio Josefo conta o escândalo ocorrido no ano 66 em que alguns chefes dos sacerdotes enviaram os seus escravos às eiras para roubar os dízimos reservados ao sustento dos sacerdotes comuns chegando alguns destes a morrer de fome.    

O Templo de Jerusalém fora reconstruído com uma grandeza e dimensões superiores ao antigo Templo de Salomão e estava a funcionar em pleno, embora a sua actuação estivesse limitada pela Lei Romana, como já referimos. O Templo perdera o “monopólio da religião”, mas continuava a ser o mais importante centro religioso em Israel e toda a vida económica da cidade estava relacionada com o seu Templo, onde continuavam a oferecer os sacrifícios pelos pecados do povo, com todo o rigor da Velha Lei. Nenhuma outra religião atraía tantas multidões como o Templo de Jerusalém com a sua imponente liturgia, os mais famosos músicos e os melhores cantores que se tinham aperfeiçoado desde os tempos do Rei David. Também sob o aspecto político e teológico, o Templo era um elemento de união entre as várias seitas veterotestamentárias, em que os israelitas estavam divididos, devido às convicções religiosas, políticas ou profissionais, como os fariseus, saduceus, essénios, zelotes, galileus, herodiamos, publicanos, escribas etc. num contexto cultural em que não era fácil dissociar a religião da política ou dos interesses profissionais. 
Além do Templo, havia as várias sinagogas em Jerusalém, assim como em todo o território do grande Império Romano, que competiam entre si pelo rigor dos seus cultos, pela sua música e pela santidade dos seus membros, embora com um conceito veterotestamentário de santidade, mais ligado à ideia de santidade litúrgica ou santidade higiénica e à santidade da sua genealogia.. (Ver nosso artigo “Santidade ao Senhor”) Algumas das principais famílias de sacerdotes de Jerusalém, tinham até uma passagem superior ligando suas habitações ao Templo a fim de não se contaminarem em contacto com o povo pecador e impuro e sabiam de cor os nomes dos seus antepassados até dezenas de gerações o que comprovava a sua santidade.
Roma decidira manter os privilégios dos levitas e sacerdotes, nomeadamente na cobrança do dízimo, desde que tal não interferisse nos impostos arrecadados pelos publicanos ao seu serviço. Claro que o povo, sujeito a essa dupla tributação não tinha possibilidades de reagir nem tinha o apoio do seu rei nem das suas autoridades religiosas.
Era esta a situação religiosa na época de João Batista. Aparentemente, tudo estava perfeito, os rituais cumpriam-se com todo o rigor, e os sacerdotes eram nomeados de acordo com a Velha Lei. Eles tinham toda a autoridade para falar ao povo... mas tinham perdido para sempre a sua credibilidade. Os dirigentes religiosos estavam completamente controlados e cegos pelos seus interesses económicos e não estavam nada interessados em mudanças, muito menos na vinda do Messias que poderia alterar a cómoda posição de que beneficiavam, com uma vida fácil e a paz com os romanos.

4) Métodos de pregação de João Batista 

Metanoeite, êggiken gar ê basileia tôn uranôn  ou seja “Mudem de mente (ou de ideias, ou de comportamento) porque chegou o Reino dos céus”, ou numa tradução mais livre, “Arrependam-se, porque já chegou o Reino de Deus”. Foi este o incómodo e inoportuno grito de João Batista. Uma das frases mais importantes de toda a Bíblia... talvez tão incómoda como seria a notícia nos nossos dias “Jesus já chegou para julgar o mundo... O tempo terminou... Já não há mais oportunidade para o arrependimento”.
Mas, num ambiente destes, que poderia fazer um homem sozinho, sem ter o apoio duma importante e prestigiada organização com um imponente edifício religioso bem colocado em Jerusalém, que desse certa credibilidade à sua mensagem e sem um bom grupo coral (grupo de louvor) que atraísse as atenções do povo?
Mas o Senhor, Deus supremo, escolheu precisamente João Batista, para que não houvesse dúvidas de que este actuava de acordo com o Seu poder, e não com as técnicas de comunicação. João faz precisamente o contrário do que faziam os religiosos do seu tempo. Era o poder do Senhor em oposição à tradição, e às técnicas de comunicação.

4.1 - Local de pregação.

Lucas 3:2/3 - Sendo Anás e Caifás sumo-sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias. E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de arrependimento, para o perdão dos pecados. 
Embora não conste que houvesse alguma via romana nas proximidades do rio Jordão que era a fronteira natural entre a Judeia e a Pereia, era ao longo deste rio que se fazia grande parte do trânsito de viajantes entre Jerusalém e o norte do país. Nas línguas originais, quer o hebraico quer o grego, a palavra “deserto” significava uma região não edificada nem cultivada, mas que podia ter algumas zonas completamente estéreis e outras com alguma vegetação, útil como terreno de pastagem. Lucas refere-se ao “deserto da Judeia” e João 3:23 refere-se a um local chamado Enom, que significa muitas águas, passagens que não estão em contradição, pois a topografia do local, leva-nos a identificar uma região muito acidentada, com extensões de terrenos áridos e secos, e o tal local Enom num ponto baixo com grande quantidade de fontes, as muitas águas. Certamente águas de nascente, de melhor qualidade para beber do que as águas do Jordão para onde escorriam. Um local desses, numa zona desértica, era um importante ponto de passagem de peregrinos que certamente paravam por momentos para descansar, beber e dar de beber aos seus animais. Mas, pelo menos inicialmente, os ouvintes de João Batista não eram os entendidos em religião, mas os vulgares viajantes, numa época em que na sua maior parte seriam comerciantes ou peregrinos a caminho ou de regresso de Jerusalém.  

4.2 - Edifício

Em Jerusalém o Templo ocupava o lugar central e as várias sinagogas rivalizavam entre si na busca dos melhores locais. 
João Batista não se preocupou em competir com eles. Como vimos, foi para uma região “deserta” nas margens do Jordão. Não nos consta que tivesse construído algum edifício para o seu culto.

4.3 - Corais, Grupos de louvor.

Segundo testemunho de vários irmãos que nos têm escrito, um bom “grupo de louvor” é um dos melhores atractivos das igrejas dos nossos dias e o seu crescimento está quase sempre na base dos chamados “grupos de louvor”.
Isto não é novidade. Já tal acontecia na época de João Batista. Também na idade média, a música era muito utilizada nas igrejas e nos conventos. Mas parece que ter boa música nem sempre é sinal de espiritualidade, pois por vezes, quanto mais afastada está a igreja da mensagem de Jesus, melhor é a música e mais impecável a sua liturgia. Parece que se tenta colmatar por meios humanos o que nos falta do Poder do Senhor.
Não nos consta que houvesse música nas pregações de João Batista.

4.4 - Contribuições

Um dos aspectos mais polémicos dos nossos dias é o aspecto financeiro, as colectas levantadas para a manutenção dos cultos, pois é necessário pagar o edifício e o sustento dos pastores.
João Batista não tinha esses problemas pois ele não tinha nenhum edifício para o seu culto, nem pedia contribuições para o seu sustento. Segundo Mateus 3:4 E esse João tinha o seu vestido de pêlos de camelo e um cinto de couro em torno dos seus lombos; e alimentava-se de gafanhotos e de mel silvestre. 
Mas encontramos em Lucas 3:11 a resposta de João Batista à multidão que lhe perguntava: Que faremos? ... Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos faça da mesma maneira. João Batista não pedia ofertas para o culto, nem para o seu sustento, mas pedia solidariedade entre os que o seguiam. Essa ajuda ao próximo era perfeitamente espontânea. Não havia contabilidade nem tesoureiros, nem fiscalização dos donativos.

4.5 - Curas e milagres

As curas e milagres, são outro grande atractivo dos nossos dias. As maiores igrejas evangélicas são as que anunciam grandes milagres. Também no catolicismo noto esse fenómeno. Basta comparar as multidões que se juntam nos locais que prometem milagres, com a assistência aos grupos que se juntam para estudar a mensagem de Jesus, ambos da mesma Igreja Católica.
Não há registo de milagres ou curas efectuadas por João Batista. O milagre que ele fazia era a transformação da mentalidade dos seus ouvintes.

4.6 - Técnicas de comunicação

Penso que João Batista nada percebia de técnicas de comunicação, que aconselham a apresentar um ar simpático, agradável, a evitar atritos com os seus ouvintes, a nunca os criticar, mas elogiar as suas capacidades e comportamentos, a ter uma certa prudência para não os incomodar nem ofender ninguém.
João Batista falava sem rodeios e por vezes era rude e directo ao comunicar com os seus ouvintes. Sendo um homem isolado, sem nenhuma guarda pessoal nem guarda-costas, ousou dirigir-se aos ...fariseus e saduceus, que vinham ao seu batismo, dizendo-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Mateus 3:7
Ele nunca se preocupou com o número dos seus discípulos, mas somente que fossem verdadeiros discípulos.

4.7 - Homilética

Também não me parece que João Batista se preocupasse com as regras da homilética nas suas pregações. É verdade que estamos noutra cultura bem diferente, mas segundo dizem os entendidos no grego, que não é o meu caso, ele não usa a linguagem elaborada dos intelectuais do seu tempo.

4.8 - Conceito de santidade

Segundo a mentalidade veterotestamentária, como já dissemos, o conceito de santidade era bem diferente do que temos desde que João Batista inicia a sua pregação, que foi homologada pela mensagem do Mestre.
No Velho Testamento temos uma santidade que significava pertencer ao povo santo ou separado, e ser perfeito sob o aspecto físico, quanto à saúde, à higiene e ao sexo. A discriminação sexual começava logo que um bebé nascia, pois segundo Levítico 12:2/5, ao nascer um menino, mãe ficava impura durante uma semana e proibida de entrar no Templo durante 33 dias, mas se nascesse uma menina, essa proibição passava para duas semanas e para 66 dias respectivamente. Em 1871 um arqueólogo descobriu a pedra com a inscrição que proibia a entrada de estrangeiros no Templo, que seriam condenados com a pena de morte em caso de desobediência. Também de acordo com Levítico 21:16/23, o Deus de Israel só aceitava uma oferta através dum sacerdote que fosse fisicamente perfeito, pois um sacerdote cego, ou coxo, ou de nariz chato ou com membros muito compridos (vr.18), ou com o pé ou a mão defeituosa (vr.19), ou corcunda ou anão ou com doenças de pele ou testículos defeituosos (vr.20), desde que tivesse algum defeito físico, não poderia oferecer uma oferta queimada ao seu Deus.
Na “Basileia” o novo Reino de Deus que João Batista anunciava, os critérios eram outros. Ele chamou de “raça de víboras” aos “santos” e “perfeitos” segundo o critério veterotestamentário, mas não discriminou nenhum dos que o procuravam com sinceridade, pois segundo Mateus 3:6 eram batizados no Jordão confessando os seus pecados. A ele se juntaram muitos dos que eram rejeitados pelo Templo de Jerusalém. Segundo Lucas 3:12/14 João Batista recebia publicanos, considerados como traidores a Israel e até soldados, não sendo possível dizer se seriam soldados romanos ou soldados judeus destacados para protecção dos publicanos que os acompanharam, mas em qualquer das hipóteses eram o oposto aos santos das sinagogas e do Templo de Jerusalém.

5) Conclusão

Jesus prometeu que voltaria, mas na sua segunda vinda já não será para salvar, mas sim para julgar o mundo e não podemos estar indiferentes aos últimos acontecimentos internacionais, a um mundo que cada vez se assemelha mais ao mundo que precedeu a vinda de Cristo, com a hipocrisia de certas igrejas, a deturpação da mensagem de paz e amor que Jesus nos deixou, o materialismo dos vários países em que mais importante que a justiça são os seus interesses económicos, pois qualquer dirigente político que fale em justiça internacional pouca aceitação terá, o que interessa aos governos são os seus interesses económicos.
Entretanto, a maior parte das igrejas ditas “evangélicas” continua com o seu habitual folclore religioso, tal como o Templo de Jerusalém nos dias de João Batista. Continuam indiferentes ao que se passa no nosso mundo, como se não tivessem uma função a cumprir. As igrejas tornaram-se mais um lugar de “santos” isolados do nosso mundo, do que lugar de pecadores arrependidos e transformados, com uma mensagem para os nossos dias.
Segundo Mateus 3:6, os discípulos de João Batista eram batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados, enquanto os sacerdotes e fariseus se apresentavam no Templo apregoando a sua santidade. Já tenho recebido mensagens de crentes que me dizem: “Sou um diácono ou um presbítero, e não me deixam sentar nas cadeiras na parte da frente, perto do púlpito...” Mas afinal, qual o ideal das nossas igrejas? É o Templo de Jerusalém onde exibiam a sua santidade, ou o grupo de pecadores de João Batista?
Lembro-me de que já há alguns anos, quando trabalhava no Município da Marinha Grande, um dos nossos carros que foi buscar material de construção a Lisboa, avariou-se na viagem de regresso, na vila de Alcoentre, mesmo em frente da grande prisão-escola, onde os presos são recuperados e aprendem uma profissão.
Como nessa pequena vila não havia oficina de reparação de automóveis, a não ser nas escolas profissionais dentro da prisão, foram pedir ajuda a essa instituição onde foram muito bem recebidos. Mas o que mais surpreendeu os nossos funcionários foi serem convidados para jantar, numa sala onde estavam os presos.
A comida, tanto os vegetais como a carne, eram produtos dos grandes terrenos da prisão onde os detidos se preparavam para a vida agrícola, e até o vinho era feito na adega da prisão. Alguns dos detidos, eram pessoas de idade, que já lá estavam há vários anos. Houve um que disse. “Eu já estou habituado a viver aqui. Lá fora, todos nos chateiam quando descobrem que estivemos presos.” Outro até acrescentou: “Se me mandarem embora, já sei o que vou fazer. Roubo alguma coisa e peço ao Juiz para voltar para a mesma prisão.”   
Será possível transformar as nossas igrejas em alguma coisa parecida com isto? Em vez de serem lugares “chatos” no género de museus de santidade, com os seus santos embalsamados, como o velho Templo de Jerusalém? Será possível transformar as nossas igrejas em lugares onde os pecadores e os marginalizados possam sentir que são amados e bem recebidos?!!!

O Evangelho já não é tão pregado nos nossos dias como parece, pois pregar o Evangelho não é só por palavras. Isso seria muito fácil com os meios de que dispomos. Com a rádio, a TV e a internet seria possível divulgar as palavras, as principais afirmações teológicas, por todo o mundo ao mesmo tempo. Alguns famosos evangelistas americanos, já o têm feito, convencidos de que estão a pregar o verdadeiro Evangelho de Jesus, só por estarem teologicamente correctos. Talvez tão correctos como estavam os fariseus e saduceus que foram ao batismo de João.
Evangelismo bíblico, como João Batista ensinou, e Jesus confirmou, implica partilha de bens materiais. Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos faça da mesma maneira. Lucas 3:11 Os países ricos, geralmente estão dispostos a enviar os seus “missionários”, muitas vezes sem a necessária preparação secular nem teológica, mas não estão abertos à genuína evangelização que implica partilha de conhecimentos através de verdadeiros Missionários devidamente preparados, e muitas vezes partilha do que roubam aos países mais pobres.
Talvez tenhamos de voltar ao início e começar com a evangelização dos “evangélicos” do nosso mundo onde os ricos são cada vez mais ricos e se consideram como cristãos evangélicos. Mas será que ainda há tempo antes de Cristo voltar?!!
Penso que não está prevista a vinda de nenhum profeta antes da segunda vinda de Cristo. Até pelo contrário, essa vinda será repentina e quando menos esperarmos.
Mas pode ser que o Senhor tenha piedade de nós e nos levante algum pregador no género de João Batista, liberto do controle eclesiástico, pois afinal, isso não depende da vontade humana, nem do apoio das igrejas, nem das decisões das juntas missionárias, nem de grandes verbas para majestosos edifícios ou divulgação nas emissoras de rádio e TV. Tudo isso pode ajudar, mas não basta, pois tem fracassado assim como fracassou o Templo de Jerusalém.
Mas então, o que é necessário? Qual o segredo de João Batista?
Pensamos que em primeiro lugar, João Batista confiou no Senhor, não procurou apoio de nenhuma organização do seu tempo e disse o que afinal já todos sabiam, mas ninguém tivera a coragem de denunciar. Antes de falar aos gentios, ele começou por tentar “arrumar a sua casa” a Casa de Israel.
Talvez estejamos perto da segunda vinda de Jesus o Cristo, e o mais grave é que desta vez não haverá nenhum profeta para a anunciar, e ele virá para julgar o mundo em que vivemos. Mas quando será essa segunda vinda? Já me têm feito essa pergunta.
Tenho procurado ser realista e não vou mostrar a minha fraca “espiritualidade” dizendo que está para muito breve.
Penso que não será durante a minha vida, e talvez seja este o pensamento de muitos dos nossos irmãos.
Mas quero terminar com Mateus 24:44 ...porque o Filho do homem há-de vir à hora em que não penseis.

Camilo - Marinha Grande - Portugal
Maio de 2003
Fonte: www.estudos-biblicos.net 
 ____________________________________________________________________________
http://www.portalgrace.com.br/
LEIA MAIS...