Dalila, do hebraico "Dalila" que significa "tentadora", surge na Bíblia como uma das mulheres de Sansão, uma das figuras bíblicas de maior relevo. 
Dalila era filisteia, natural do vale de Sorec no Norte da Filisteia. Tendo aceite um suborno dos príncipes filisteus para que descobrisse o segredo da força de Sansão, por três vezes este lhe deu informações falsas. 

Mas à quarta vez conseguiu convencê-lo a revelar-lhe o seu segredo: se o seu cabelo fosse cortado, perderia toda a sua força. Dalila mandou então um homem cortar o cabelo a Sansão enquanto este dormia, entregando-o de seguida aos filisteus. 
Após este episódio Dalila não é mais mencionada nos textos bíblicos, ficando assim na história como a mulher que traiu o herói israelita Sansão.




Fonte: www.knoow.net
Agar era uma serva egípcia de Sara, mulher de Abraão, e que foi dada pela mesma para gerar um filho de Abraão afim de cumprir a promessa de Deus, já que Sara era estéril.
Na verdade Sara quis dar uma ajudinha para Deus, na sua pequenina fé e deu a maior confusão e aí quem acabou levando a pior foi  Agar, que acabou entrando  nesta história.
Pois é, Agar, em obediente a sua senhora fez como o mandado e gerou um filho o qual se chamou Ismael, cujo nome significa "Deus ouve".

Esta história emocionante encontra-se no livro de Gênesis entre os capítulos 16 a 21. Mas, o que eu quero chamar à atenção não é propriamente ao começo desta história, mas sim ao desfecho dela. 
Agar sofreu muitas humilhações pelo ciúmes de Sara, por duas vezes foi mandada embora, mas, em nenhuma das vezes abandonou seu filho.

Da primeira vez, saiu ela sem rumo, grávida, mas foi achada junto a fonte de águas pelo Anjo do Senhor que lhe fez uma promessa e a fez retornar.
Da segunda vez, com o filho já crescido, foi ela novamente humilhada e mandada embora e, sem rumo, partiu pelo deserto com seu filho, e dessa vez, no auge do seu desespero, já sem água para beber, afastou-se dele, por não querer vê-lo morrer.

Só quem tem um filho pode imaginar a dor dessa mãe, o sofrimento dela vendo seu filho prestes a morrer e sem poder fazer absolutamente nada.

Então Agar, longe senta-se sem forças e chora, e seu choro foi de desespero, ela levantou a sua voz angustiada a esperar a morte.
Mas aí, algo acontece! Não foi só Agar quem sofreu alí. Naquele cenário estava seu filho, ele já não era mais criança, ele entendia tudo o que estava acontecendo, ele também se sentiu rejeitado e humilhado pelo pai, ele também sentiu a morte de perto e ele também chorou.

E a Bíblia diz que, nesse momento apareceu o Anjo do Senhor e disse a Agar que Deus havia ouvido o choro do menino, veja bem, Deus ouviu o choro de Ismael.

Deus ouviu aquela mãe e aquele filho em meio ao deserto do desespero, e Deus continua a ouvir.
Quantas mães e quantos pais choram hoje por seus filhos que estão prestes a morrer envolvidos com tantas coisas que podem levá-los a morte. Quantos filhos choram também por ver que estão caminhando para a morte mas não tem forças para abandonar o erro. Mas Deus ouve!

Assim como Deus ouviu o choro de Agar e de Ismael ele ouve o choro daquele que desesperado espera por um socorro.
Não importa sua situação no momento, clame a Deus e espere Nele, pois Ele cumprirá todas as promessas na tua vida e na tua família. No meio do deserto não há onde correr nem a quem buscar, mas Deus  vê e ouve e mais  do que isso, Ele faz!

O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã!
Que Deus te conceda a vitória em nome de Jesus.




Fonte: www.adoracaosemlimitesmariangela.blogspot.com.br
Sansão foi um homem fruto de um milagre de esterilidade. Sua mãe não poderia ter filhos, mas um dia um Anjo do Senhor apareceu a ela dizendo que seria mãe de um menino consagrado a Ele, mas que teria que se consagrar para que ele realmente fosse um homem separado a Deus desde o ventre (Juízes 13:2-5).

Como toda mulher, ela ficou eufórica para contar a seu marido, chamado Manoá. Porém, ele não acreditou em todos aqueles detalhes de consagração que disse sua esposa e pediu que isso fosse confirmado novamente por um Anjo do Senhor (Juízes 13:6-8).

E foi o que aconteceu. O mesmo anjo apareceu a ela no campo, que correu para chamá-lo e ouvir as confirmações. Porém ele não percebeu que aquele que falara era Anjo da parte de Deus e o ofereceu um cabrito. Manoá somente percebeu que não se tratava de um homem natural quando queimou o cabrito como oferta e ele e sua esposa o viram subir para o céu em meio à fumaça (Juízes 13:9-23).

Um homem cheio de dúvidas

Pode-se dizer que Manoá era um homem desconfiado e cheio de dúvidas. Ao ouvir o que o Anjo prometera à sua esposa, ele duvidou e orou pedindo para que acontecesse de novo e assim tivesse certeza do milagre prometido.

Quantas vezes, mesmo recebendo a promessa de um grande milagre, algo impossível aos olhos humanos, duvidamos da promessa? E mesmo quando o sinal do milagre acontece, ainda pedimos mais sinais para Deus?

Temos que aprender a acreditar nos sinais que Deus nos manda. Ele fala conosco de todas as maneiras, quando e onde quiser. Temos que ficar atentos e agradecer por cada resposta dada no momento certo.

Não duvidemos do que Deus pode realizar!



Universal.org
ATOS 19:8-41 - "Diótrefes ou Demétrio"
Eu não escolho Demétrio por ele ser uma figura importante ou famosa na Bíblia. Na realidade, ele não fez nenhuma coisa boa e não teve sucesso em fazer o mal. Eu escolho ele por ele ser um exemplo de uma prática satânica. Isto é a prática de opor as coisas espirituais para ganhar riquezas do mundo. 

O ministério de Paulo em Éfeso tinha sido bem produtivo. Mesmo tendo oposição, ele teve sucesso em disputar as heresias, e havia ensinado a Palavra de Deus por dois anos e três meses. Além disso, Paulo também havia feito grandes milagres, principalmente os de curar os endemoninhados. Assim como hoje, havia homens que buscaram se engrandecer em usar os nomes de Jesus e Paulo para expulsar os demônios. Assim como hoje, os feitos desses homens eram somente imitações vis e fúteis. Assim como hoje, esta prática perversa era para o detrimento dos praticantes (vv. 13-17). Isto causou os que praticavam artes mágicas (feitiçaria, etc.) a queimar livros de feitiçaria no valor de cinqüenta mil peças de prata. 

A feitiçaria e idolatria andam de mãos dadas e em qualquer lugar que a Palavra de Deus for pregada com eficácia, ambas serão derrotadas. Por isso, Demétrio viu que a sua profissão e ganho estavam em perigo, pois fazia de prata nichos de “Diana, deusa dos Efésios”. Demétrio não se preocupou com a mensagem de Paulo ser verdadeiro ou falso, e sim com o efeito que a mensagem tinha sobre seu ganho material. No entanto, não se focalizou no seu motivo primordial mas na lealdade religiosa que o povo tinha para com Diana. Eles arrebataram dois dos companheiros de Paulo e os trouxeram ao teatro, e a confusão da multidão prevaleceu. Por um espaço de duas horas, o povo repetiu unânime a frase “Grande é a Diana dos efésios.” 

Quando o escrivão da cidade tinha acalmado o povo, falou simplesmente, “Se estes homens tem cometido algum crime, deixe Demétrio os acusar legalmente,” e o povo foi despedido. Este é sempre o caso. Quando o motivo de homens assim como Demétrio é submetido à razão e lógica, ele se desfaz. Dessa forma, a causa de Demétrio é derrotado por seus compatriotas sem sequer uma palavra de defesa do povo de Deus, e eles continuam pregando a Palavra de Deus. 


Autor: Pr Forrest Keener
ATOS 1:15-26; LUCAS 9:1-6; 10:1-12

Versículo para memorização - Atos 1:21, 22

Matias é um homem cujo nome nunca é mencionado antes ou depois do primeiro capítulo de Atos. Ele é muito importante, no entanto, por causa das verdades doutrinárias que podemos aprender a partir das qualidades exigidas para sua nomeação. Foi eleito pela Igreja reunida (Atos 1:12-15) para substituir Judas Iscariotes, que tinha perdido seu lugar no apostolado (não a salvação, porque ele não a tinha) por causa da transgressão (Atos 1:16-20). 

A grande importância de Matias e sua nomeação ao apostolado são as qualificações aqui listadas. Requereu-se dele que acompanhasse os apóstolos todos os dias, enquanto o Senhor Jesus Cristo estivesse entre eles (Atos 1:21). Precisava ser um homem que começou seu ministério no tempo do batismo de João o Batista (Atos 1:22). É quase certo que foi um dos !outros setenta?, de Lucas 10:1-12, a quem foram dados dons apostólicos e que foram enviados a pregar o reino de Deus. Você pode presumir que todos os homens do Novo Testamento que exerceram dons apostólicos, tais como cura de enfermos, ressuscitar mortos, etc., estavam entre esses setenta, com uma única exceção, o Apóstolo Paulo.

Alguns acham que a igreja errou ao selecionar Matias e pensam ainda que Paulo era a escolha de Deus. Estão errados. Deus escolheu Paulo para um apostolado muito especial, o dos gentios. Devia haver 12 apóstolos para os judeus e requereu-se que fossem homens que testemunhassem pessoalmente a ressurreição corpórea do Senhor Jesus Cristo. Deveríamos cuidadosamente notar com que freqüência esse detalhe é mencionado no Novo Testamento como sendo uma doutrina indispensável. Devemos, portanto, concluir que todos aqueles que negam ou desacreditam a ressurreição corpórea de Jesus Cristo são falsos profetas.



Autor: Pr Forrest Keener
Tradução: Albano Dalla Pria
Revisão: Joy Ellaina Gardner
Edição: Calvin Gardner
Fonte: www.palavraprudente.com.br
Versículo para memorização - Mateus 12:30
 
Pórcio Festo tornou-se governador logo após Félix. Era um oportunista do pior tipo, cujas ambições políticas eram bem maiores que suas convicções acerca de moral ou justiça. Não encontrou maldade em Paulo (Atos 25:25, 26), mas, devido a motivos de popularidade política, recusou tomar uma decisão a favor de Paulo (Atos 25:9).
Provavelmente, não há pecado mais sedutor para alguém do que tentar ser indiferente em relação a Cristo ou as coisas de Deus. Festo herdou a responsabilidade de libertar Paulo por causa da ganância de Félix (Atos 24:25-27). Contudo, seu pecado não era menor que o de Félix; em duas ocasiões, ouviu Paulo falar segundo a fé de Jesus Cristo e não tomou nenhuma decisão a favor de Paulo.
Quando, pela primeira vez, Festo participou do julgamento de Paulo, tornou-se sua responsabilidade libertá-lo, pois as acusações não podiam ser provadas (Atos 24:7). Ao invés de fazer isso, na tentativa de agradar aos judeus, tentou enviar Paulo para Jerusalém a fim de que lá fosse julgado. Claro que isso não poderia acontecer porque existiam judeus fora-da-lei armando ciladas para assassinar Paulo, então Paulo apelou a César, e Festo, a fim de se livrar da responsabilidade, aceitou seu pedido. Isso conduziria a pregação do evangelho por Paulo em Roma, mas, finalmente, deu-se a execução de Paulo e, por uma parte dessa execução injusta, Pórcio Festo teria que responder durante a eternidade.
O maior pecado que Festo cometeu foi rejeitar a mensagem do Evangelho que Paulo entregou. Era costume de Paulo, em toda defesa, pregar o Evangelho. Talvez aprendera isso com Estevão, quem de modo condescendente viu morrer como mártir. Leia Atos 7:57-8:1. Podemos perceber, através da imparcialidade e da declaração, que Festo rejeita a mensagem de Cristo. Em Atos 26, Paulo fala sobre sua maravilhosa conversão e, nos versículos 22 e 23, prega o Evangelho com grande simplicidade. Festo disse que Paulo era louco. Pergunto: quem Festo acha agora que era louco?


Autor: Pr Forrest Keener
Tradução: Albano Dalla Pria
Revisão: Joy Ellaina Gardner
Edição: Calvin Gardner
Fonte: www.palavraprudente.com.br

Postagens por Data

Estatíticas de Acesso

Traduzir este site

Membros | Seguidores

Postagens mais acessadas

Redes Socias